INTERVENÇÃO ARTÍSTICA – MAFALDA

Essa semana, foi exposta no Câmpus mais uma intervenção artística sobre cartoons. Nela, foi abordada uma tirinha da personagem Mafalda, elaborada pelo cartunista argentino Quino. A intervenção consiste em uma faixa, posta acima da porta do 1º Bloco, que conta com uma reflexão da famosa personagem: “E não é que neste mundo tem cada vez mais gente e cada vez menos pessoas?”.

Foto0799

 

O que achou? Deixe sua opinião nos comentários!!!

50 ANOS MÔNICA

      Este ano uma das personagens mais queridas dos quadrinhos comemora 50 anos. A criação de Mauricio de Souza, conquistou inúmeros fãs, de todas as idades.

    1  Mônica é a personagem mais conhecida do cartunista. Representa uma menina forte, decidida, que não leva desaforo pra casa mas, ao mesmo tempo, tem momentos de feminilidade e poesia. Mora com os pais, tem um cãozinho chamado Monicão e vive pra baixo e pra cima agarrada a um coelho de pelúcia. E este coelho, que ela trata com todo o carinho, também serve de “arma” contra os meninos. Principalmente o Cebolinha e o Cascão, que não param de “aprontar” com ela.

      Foi criada em 1963, baseada na filhinha do Mauricio, com o mesmo nome. No início, saia nas tiras do Cebolinha, nos jornais. Depois começou a “roubar a cena” e ganhou sua revista própria em 1970. Desde essa época, é uma das revistas que mais se vendem no país. Hoje, além dos quadrinhos -onde aparece na história como líder imbatível e dona absoluta da rua – Mônica é estrela de cinema, teatro, tem vários produtos que levam seu nome, faz campanhas educativas e comerciais de tevê.

famosos-exposicao-monica

Fonte: http://www.monica.com.br/personag/turma/monica.htm

      Em homenagem a esta baixinha, o Programa Cultura Viva desenvolveu uma nova intervenção diferente das anteriores. Foi criado no primeiro bloco do Câmpus o “Cantinho da Mônica”, onde estão dispostos diversos gibis para leitura.

Foto0778

Não deixe de fazer uma visita ao “cantinho da Mônica” e aproveitar!

SOBRE O PROGRAMA CULTURA VIVA

O Programa Cultura Viva, desenvolvido no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (Câmpus Farroupilha) conta com a participação das bolsistas Bruna Dal Bello, Júlia Duarte Schenkel, Elisa Razzera Gajardo, bem como seus respectivos orientadores Jefferson Pereira de Almeida, Cinara Fontana Triches e Icaro Bittencourt.

O Programa Cultura Viva tem como objetivo geral desenvolver a criatividade e a criticidade dos alunos do câmpus, bem como abranger objetivos específicos como: fomentar o trabalho em equipe, dar a oportunidade para os alunos expressarem suas opiniões e interesses culturais, estimular o gosto pelas artes, valorizar habilidades artísticas dos alunos, propiciar aos mesmos a participação em distintas atividades artísticas e culturais.

Dentro do programa são realizadas intervenções artísticas, que tem como objetivo incentivar os alunos a refletirem sobre o que leêm de forma crítica, não apenas aceitando o que é explícito sem nenhum esforço para tirar as próprias conclusões. Essas intervenções são realizadas por meio da exposição de poemas e letras de músicas em lugares estratégicos do câmpus, sendo que todas essas intervenções trazem um conteúdo reflexivo e algumas vezes são voltadas para datas comemorativas. Para a exposição, foram instalados quadros negros nos corredores do segundo bloco, os quais tem o seu conteúdo atualizado semanalmente. Além disso, também são expostas intervenções artísticas nos banheiros, atrás das portas e em frente aos mictórios. No primeiro,  bloco foram expostas  releituras realizadas sobre algumas obras de Miró.

Em parceria com o Programa Cultura Viva estão sendo desenvolvidos programas de rádio nos quais professores e alunos, principalmente do Ensino Médio, se reúnem e fazem pautas de diferentes temas, para serem apresentados, uma vez por semana, em uma rádio local.

Para orientar as ações do programa, foi aplicado entre os alunos do câmpus um questionário, para conhecermos melhor as habilidades e interesses dos estudantes. O mesmo foi testado primeiramente na turma do PRONATEC, para corrigir falhas, como ambiguidades e falta de clareza nas questões. Além disso, por meio dos questionários finais foi possível tomarmos conhecimento da maneira como a música é consumida pelos entrevistados. Pelo resultado desse questionário, algumas oficinas já estão em andamento ou sendo planejadas pelo Programa. Uma oficina de música com o cantor e compositor Oly Jr. já esta agendada, onde o músico apresentará seu trabalho “Milonga Blues” e comentará sua trajetória artística.

Outro projeto importante é o da feira literária, que já está em andamento. Primeiramente, nós, bolsistas, passamos nas salas de aula das turmas do ensino médio fazendo uma breve apresentação sobre o tema “mito”, afim de esclarecer o conteúdo para os colegas. Posteriormente, as turmas foram divididas em cinco grupos cada, normalmente trios, os quais escolheram um livro e estão fazendo a leitura dessas obras. Ao finalizar-se essa etapa, os alunos deverão fazer uma análise do mito presente no livro e adaptar um trecho para a a linguagem teatral e então apresentá-lo no primeiro Sarau Literário do Câmpus, que ocorrerá juntamente com a Feira Tecnológica, na primeira semana de dezembro.

Devido ao alto nível de interesse demonstrado pelos alunos através dos questionários, a oficina de fotografia já está em andamento, porém inicialmente ela está sendo realizada apenas com as turmas do Ensino Médio. Essa oficina acontece juntamente a um trabalho realizado nas disciplinas de Literatura, Sociologia ou Filosofia. Para que os alunos tenham uma base para o trabalho, o jornalista do Instituto, João Henrique Machado e a servidora Sônia Gotler, realizaram palestras para as turmas do ensino médio. As turmas do primeiro e segundo ano tem um foco diferente para a realização do trabalho.

Os alunos do 1º ano têm como objetivo retratar por meio da fotografia a identidade de um povo, ou seja, tirar fotos da região onde vive, pessoas, ações ou objetos característicos. Depois desta atividade extracurricular, serão escolhidas as melhores fotos e destas, será feita uma exposição no saguão do câmpus para todos os alunos e visitantes.

Já no segundo ano, o foco do trabalho realizado com a oficina, são as lendas urbanas, onde os alunos tiveram de escolher uma lenda urbana da região e identificar o mito presente. Em seguida terão de fazer fotos de locais e objetos relacionados à esta lenda.

Além disso, os questionários também nos levaram a algumas sugestões para oficinas que serão desenvolvidas no próximo semestre, como por exemplo, oficinas de dança, grafite e cinema.

Outra parte significativa do programa é o blog. Inicialmente este era para ser apenas uma espécie de diário onde seriam registradas as atividades dos projetos desenvolvidos. Porém, acabou se tornando um espaço onde, além de registrar as atividades, compartilhamos debates realizados dentro do Programa e também onde são realizadas intervenções artísticas. Dentro deste é mantido um projeto chamado Dica da Semana, onde semanalmente são disponibilizadas sugestões de músicas, poesias, filmes ou livros para a fruição e interpretação dos leitores.

O Programa Cultura Viva também conta com uma grande participação dos alunos do câmpus. Eles colaboraram na produção do banner do programa, na construção das camisetas das bolsistas e orientadores.

As lembrancinhas que foram distribuídas na II Mostra Científica do IFRS – Câmpus Restinga, contou com a ajuda dos alunos, principalmente do Ensino Médio.

NOVA INTERVENÇÃO NO CÂMPUS – ESPECIAL DIA DA CRIANÇA

Nesta semana, os quadros, que compõem uma intervenção artística, estão adornados com desenhos e poesias com o tema “Dia da Criança”, de modo a descontrair o câmpus em véspera de feriado.

Confira, nos links abaixo das fotos, a poesia completa.

“Meus oito anos”, Casimiro de Abreu

Paraíso“, José Paulo Paes.

As artes expostas foram parte de uma oficina realizada com as bolsistas, que consistia na releitura de obras do artista catalão Joan Miró.

Um feliz dia da criança a todos, afinal, ninguém deixa de ser criança!

NOVA INTERVENÇÃO ARTÍSTICA

Foi realizada hoje (24/09/2012) uma nova intervenção artística nos quadros negros expostos no segundo bloco do IFRS – Câmpus Farroupilha.

Foram expostos trechos das músicas: Noites de outros dias, do grupo Cidadão Quem, e Terra de Gigantes, Engenheiros do Hawaii, ambas relacionadas ao tema alienação e aceitação das pessoas para com a sociedade.

Deixe sua interpretação sobre as letras das músicas e dê sugestões para as próximas atividades.